quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

SOBRE O PROJETO DE LEI 141 - A GRATIFICAÇÃO POR TITULARIDADE

GOIÂNIA - ANO II - 101

Olá Químicos e Agregados.

O blog ficou inativo por alguns dias. Final de semestre é pedreira das grandes.

Mas voltei para comentar o projeto de lei 141 proposto pelo senhor secretário da educação e gerador de uma quantidade bem grande de polêmicas. Já adianto. Achei um absurdo. Vou comentar os principais pontos. O primeiro deles é a tal da gratificação de formação avançada.

O primeiro ponto que me chamou a atenção foi a diminuição do incentivo a titularidade. Isto é, antes dessa proposta, o professor que tinha mestrado, obteria um acréscimo de 40% em seu salário. Se fizesse doutorado, tinha um acréscimo de 50%. O projeto prevê que o adicional de mestrado cai para 10% e o de doutorado para 20%. Isso quer dizer duas coisas:

1) Escancara a desvalorização da formação continuada, pois, quem, em sã consciência iria fazer um mestrado, que não é uma coisa simples, para receber 10% de aumento? E doutorado então?

2) Incentiva aqueles que farão o mestrado e o doutorado a abandonarem de vez a escola pública do estado. Sou formador de professores e também de professores com mestrado. O que vejo todos os anos são excelentes profissionais que poderiam ministrar aulas de química, biologia, física e matemática de mais alto nível para os cidadãos goianos que têm filhos na escola pública, deslocarem-se para empregos federais, como professores ou técnicos, em busca de melhores salários ou condições de trabalho. Vejam bem, empregos técnicos em nível federal pagam melhor do que o estado. Cabe lembrar que minha esposa tem um cargo de nível MÉDIO no estado e ganha, por quarenta horas, 1500 reais. Há coisas que são bastante estranhas nesse nosso estado.

Com títulos desse nível e se sentindo desvalorizado em seu ambiente de trabalho, você não abandonaria? Mas tenho outra pergunta. Que pai ou mãe não gostaria que seu filho tivesse aula com mestres altamente gabaritados? Pelo que vejo, só o senhor secretário não gostaria. Claro que não. Fatalmente ele não colocaria seu filho na rede pública, como não fizeram todos os outros secretários que o antecederam.

Vejam um exemplo simples. De acordo com o projeto de lei 141, o piso do professor PIII (Com licenciatura plena) seria de R$ 2.016,03, aplicando-se os reajustes previstos na lei 13.909 para progressão vertical. Logo, isso não é um aumento salarial, é tão somente a aplicação do piso e os seus reajustes por nível, conforme a lei. Com a gratificação do mestrado em 10%, o salário iria para R$ 2.273,00. Rídiculo para um título de mestrado. Importante salientar que o próprio reajuste na progressão vertical foi alterada pelo projeto de lei, achatando o salário em um efeito cascata. Tal aspecto está muito melhor explicado no blog Mobilização dos Professores de Goiás. Recomendo.

Fica claro que a tal da titularidade proposta pelo governo é uma desonra, uma vergonha. Sinceramente, vou recomendar fortemente que meus professores lutem pelos seus direitos, mas que prestem concurso para os Intitutos Federais ou para as Universidades. Radical? Não, quando todos sabem que luto pela federalização das escolas estaduais e municipais. Mas isso é história para outro post.

Caros, a titularidade não pode e não deve nunca ser incorporada a salário, como sugere o projeto de lei. Salário base é uma coisa, titularidade é outra. Um título de mestre ou doutor para um professor da rede pública deveria ser motivo de comemoração, de júbilo e claro, de valorização. Em qualquer plano de carreira que se preze, o adicional de titularidade é um incentivo ao servidor, para que ele se especialize, continue a se formar, a aprender, a se valorizar e valorizar o seu público, seus alunos e aqueles que pagam seu salário, o trabalhador brasileiro. Pergunto novamente: que pai e mãe não gostariam que seu professor fosse o mais titulado possível?

Essa medida quer dizer o seguinte: não adianta fazer um mestrado. Aqui no estado você não será valorizado. Nem falo do doutorado.

Volto em outro post para comentar a tal da Gratificação de Desempenho.

Recomendo a presença de todos no blog Mobilização dos Professores de Goiás. À luta.

Nesse intervalo, escrevi, juntamente com a Prof. Agustina, Profa. Nyuara e Profa. Marilda, um artigo que foi submetido a Assessoria de Comunicação da UFG para ser encaminhado para um veículo de grande circulação. Estamos aguardando...Qual será a perspectiva em se tratando de nossa imprensa?

Um mol de abraços a todos.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

SEGUNDO DIA DO II SELIQ

GOIÂNIA - ANO II - 100

Olá Químicos e Agregados.

Nada mais representativo do que o post número 100 do Blog do IQ UFG ter como tema o segundo dia do II SELIQ - IQ - UFG. 

Hoje foram as apresentações orais dos trabalhos de pesquisa dos alunos da Licenciatura. Foram apresentados 11 trabalhos orais. A dinâmica consistia em uma apresentação de 20 minutos e 10 minutos para questionamentos diversos da platéia(eia) e dos professores.

Penso que a avaliação foi muito positiva. 20 alunos, 11 trabalhos prontos para serem encaminhados a revistas científicas especializadas e o melhor, a convicção de que estamos formando muito bem por meio da pesquisa, um dos objetivos do nosso curso de Licenciatura em Química. 

É muito bom ver que os alunos apresentam e discutem com propriedade as diferenças teórico-metodológicas entre a pesquisa em ensino de química e a pesquisa em química.

As temáticas foram ricas e diversas e podem ser vistas aqui.

Aliás, ficamos muito felizes com a presença de alunos e professores. Somamos 106 inscrições no primeiro dia, sendo que 56 dessas pessoas voltaram no segundo dia somente para as apresentações orais dos alunos. Todos do IQ - UFG.

Agradecemos a presença de vários alunos da licenciatura e do bacharelado e de vários professores do IQ - UFG de outras áreas que não o Ensino de Química.

PARABÉNS A TODOS.

Encerro com fotos do Segundo dia do II SELIQ. Até o ano que vem!

Área de Ensino de Química do Instituto de Química da UFG 
(Da esquerda para a direita: Agustina, Anna, Márlon e Nyuara)

Apresentação T01 -  Eduardo de Melo Ferreira Umbelino do Nascimento
 Apresentação T02 - Jesse Misael Quinde Suarez

 Apresentação T03 - Ana Lidia Vieira de Souza e Maelí Lima Campos

 Apresentação T04 - Maria Alciony Rosa da Silva Batista e Lucas Dias da Silva

 Apresentação T05 - Flávia Carneiro Gonçalves

 Apresentação T06 - Laís Brito Lopes e Thiago de Almeida Fernandes

 Apresentação T07 - Edna Sheron da Costa Garcez e Pedro Henrique Alves Araújo

 Apresentação T08 - Gustavo Batista da Cruz A. dos Santos e Caio Cesar Marcelino Soares

 Apresentação T09 - Layla Karoline Tito Alves

 Apresentação T10 - Rodrigo Alexandre Ferreira

Apresentação T11 - Ademir Rodrigues da Silva Junior e Lismone Helrigle Sousa

Coordenação do SELIQ (Márlon e Nyuara) e Thiago Presunto (De sonoplasta, carpinteiro até garçom e TI)

SELIQeiros - Apoio Técnico Incomensurável no Segundo Dia.
(Da Esquerda para a direita: Paulo, Jonney, Gerson, Warlandey e Thiago Presunto)

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

PRIMEIRO DIA DO II SELIQ

GOIÂNIA - ANO II - 99


Olá Químicos e Agregados.


HOJE foi o primeiro dia do II SELIQ.


Das 10 até às 12 horas, tivemos a abertura com a presença do Diretor do Instituto de Química, Prof. Dr. Neucírio Ricardo Azevedo, o coordenador dos cursos de Química, Prof. Dr. Flávio Colmati Junior, a coordenadora de Estágios da UFG, Prof. Dra. Marilda Shuvartz e a Coordenadora de Estágios da Licenciatura do IQ - UFG e a Coordenadora do Evento, Profa. Dra. Nyuara Araújo da Silva Mesquita. 

Depois da cerimônia de abertura, tivemos a apresentação da palestra do Prof. Dr. Márlon Soares, sobre formação de professores.

Algumas fotos da abertura e da palestra. 


Professores Flávio, Neucírio, Marilda e Nyuara


Professores Flávio, Neucírio, Marilda e Nyuara.


Vista Geral da Mesa Diretora e do Mestre de Cerimônias (Professor Márlon)


Palestra de Abertura (Professor Márlon)


Coordenadores do II SELIQ (Professores Nyuara e Márlon)


LEQUALIANOS no intervalo do almoço (Eduardo, Flávia, Nyuara, Márlon, Layla, Edna, Thiago Presunto, Sô Krebs, Tamara e Pedro).


Após o almoço (14:00 até às 18:00 horas) tivemos as palestras do Prof. Dr. Gerson Mol da UnB e da Prof. Martha Reis, autora de livro didático aprovado pelo PNLD 2012. Após as palestras, a mesa redonda sobre livro didático, com a presença dos palestrantes e da Prof. Dra. Agustina Echeverría, mediados pela Profa. Dra. Anna Benite.


Palestra do Prof. Gerson Mol


Palestra Profa. Martha Reis


Mesa redonda (Professores Gerson, Agustina, Anna e Martha)


Visão Geral do Período da Tarde.


É ISSO. Obrigado a todos os participantes no primeiro dia do II SELIQ.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

II SEMINÁRIO DA LICENCIATURA EM QUÍMICA DO IQ - UFG

GOIÂNIA - ANO II - 98


Olá Químicos e Agregados.

Nos dias 23 e 24 de novembro (Quarta e Quinta Feiras) ocorrerá no Anfiteatro do IQ I o II Seminário da Licenciatura em Química do IQ - UFG (II SELIQ).

Dessa vez, teremos três palestras, uma mesa redonda e 11 apresentações orais dos trabalhos de pesquisa dos alunos da Licenciatura em Química.

Confiram a programação completa no link a seguir:


Contamos com a participação de todos.

Um mol de abraços.


quarta-feira, 9 de novembro de 2011

SOBRE OS ALUNOS DA USP E A INVASÃO DA REITORIA


GOIÂNIA - ANO II - 97

Olá Químicos e Agregados.

Bom. Teve um tempo em que eu fui aluno. E acreditem, fui do movimento estudantil. Fui presidente de Centro Acadêmico e até disputei uma eleição para o DCE na UFU (Tá certo que a chapa era de protesto, mas isso é outra história).

Caso não saibam, saberão agora. Já invadi reitoria em 92 para empossar um reitor eleito pelo voto e dormi em anfiteatro invadido a favor da moradia estudantil em 94. Tudo isso na gloriosa Universidade Federal de Uberlândia. Tá certo que minha vida era mais fácil do que os colegas que realmente dormiam todos os dias no anfiteatro invadido. Morava em Uberlândia e simplesmente ia pra casa tomar banho. Mas isso também é outra história. Vamos ao tema.

      Para mim, depois de todos os acontecimentos, fica claríssimo que o problema não foi gerado por causa da prisão dos alunos que fumavam maconha. É importante que todos saibam alguns detalhes interessantes, na forma de tópicos a serem discutidos: 

   1) O atual reitor foi empossado pelo Serra, mesmo tendo perdido a eleição entre os professores, técnicos e alunos. O Serra, na época governador, indicou um nome da lista tríplice, o reitor Rodas, homem forte de seu governo, dentro da USP;
    2)  A falta de segurança no campus da USP é uma realidade NACIONAL. A universidade simplesmente passa a repetir o que acontece em grande escala em nossa sociedade. Tá aí a UFG que não me deixa mentir, nem minhas alunas do LEQUAL (Flávia, Monah Lisa e Layla Roussef) assaltadas a mão armada no ponto de ônibus da UFG.

Discutirei esses dois pontos.

O primeiro, diz respeito ao movimento estudantil da USP, tentando se organizar para combater e pedir providências quanto ao que consideram várias bobagens e ações não transparentes da atual reitoria, empossada pelo Serra. Segundo os alunos, o reitor é investigado pelo Ministério Público por corrupção, nomeação de cargos públicos sem concurso, além de várias decisões que ferem a autonomia universitária. 

Nesse sentido, apoio a ação do movimento estudantil da USP e não há como não fazê-lo. É papel de estudantes de uma universidade exigir que ela seja uma universidade. E É papel da universidade formar cidadãos críticos, pois uma simples formação técnica especializada é papel de cursos técnicos. Universidades devem formar pensadores, transformadores e formadores de opinião em todas as áreas.

Rechaço aqui o papel equivocado de minorias de estudantes, que derrotados em assembléia estudantil, resolveram invadir a reitoria. Assim, critico a desorganização do movimento, infelizmente aparelhado por partidos políticos. Não rechaço o protesto, que acho válido. Critico a desunião e ações que não consideram a decisão democrática em assembléia.

Mas até aí, também não devemos ver a invasão como um problema enorme. A mídia vê tal invasão como uma coisa completamente absurda. Estudantes devem usar vários meios de protesto e a invasão é uma delas. Lembro-me de amigos durante as invasões que participei em 92 e 94 que sempre diziam: “É protesto pessoal. Vamos deixar tudo limpo, não quebrar nem pichar nada, já que isso é patrimônio público e quem sustenta isso é o povo que a gente defende...”. Guardo isso até hoje, como mote de minha carreira acadêmica.

O problema está na minoria que picha, suja, depreda e se esconde. Aí a mídia explora isso como se todos os estudantes da USP fossem desocupados, baderneiros, maconheiros, riquinhos, entre outros “adjetivos”. Uma ação bem orquestrada para tentar passar para a população uma mensagem bem clara: “Estão vendo? Tudo safado! Tem que cobrar mensalidade desse povo! Olha que absurdo!”. Porque os grandes meios de comunicação representam uma elite que ainda não quer largar seu osso. E essa mídia não quer saber dos reais motivos da invasão, como já descrevi acima.

E infelizmente, muita gente acredita nisso e tal aspecto se espalha na rede em uma velocidade espantosa, exatamente porque os próprios alunos de universidades, que deveriam ser críticos e analisar todos os lados da questão não o fazem e acreditam piamente no que a grande mídia coloca como verdadeiro.

Em relação ao segundo ponto, a violência dentro da universidade. Sou a favor da segurança dentro do campus. Se ela virá com a PM ou com uma polícia universitária, não é possível saber e é por isso que a discussão tem que ocorrer, não só na USP, mas em todos os campi que passam pelo mesmo problema.

Nossa preocupação não deve ser se a PM faz ou não o seu papel, ou se não sabe lidar adequadamente com estudantes universitários. Devemos nos pautar em decisões negociadas sempre e a PM deve seguir esse caminho e não o da violência contra estudantes. Nossa preocupação deve ser o fato de que a bandidagem simplesmente descobriu que as universidades são uma mina de dinheiro e uma ilha isolada sem qualquer tipo de segurança, calcada no lócus do conhecimento, mas sem nenhum tipo de policiamento. Esse é o problema, hoje.

Universidades são o lócus do conhecimento, a supremacia da ciência frente a interesses econômicos ou políticos. A PM é o instrumento de poder e de presença do estado dentro de uma universidade e é isso que é perigoso em termos de autonomia universitária. A solução talvez seja a reativação das guardas universitárias, devidamente paramentadas e não sucateadas. Essas soluções paliativas e terceirizadas de Seguranças de Patrimônio, como na UFG, não adiantam definitivamente, NADA, como todos sabemos. E é por isso que o movimento é interessante, para chamar a atenção para essas discussões que devem ser realizadas em todas as universidades.

Enfim. Não sou contra o movimento dos alunos da USP. Mas sou contra a forma com que tais ações foram realizadas, o que denota um movimento partidário sem união. Concordo com todas as reivindicações dos estudantes da USP, mas devo discordar que os fins justificam os meios. Mas também não concordo com a ação do reitor em mandar tirar os estudantes a partir de uma ação não negociada, na base da violência, que se não tiver sido física, foi moral.

Bom. Opinião é isso. Essa é a minha. Abraços a todos.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

SEXTA FEIRA DA CANÇÃO XIV

GOIÂNIA - ANO I - 96

Olá Químicos e Agregados.
Hoje é feriado. Para mim pelo menos. Após uma batalha épica entre institutos, faculdades e pró-reitoria, eis que ganhamos. Muito calor foi o que ganhamos.
Hoje estou saudoso e romântico. Sim! Isso quer dizer que eu vou colocar uma música velha, como é peculiar. "Mais uma música velha", diria a professora Nyuara. Mas eu sou novo, é bom lembrá-la. A música é uma que faz tempo que eu não ouvia. E convenhamos, não é ótima a sensação que temos quando ouvimos uma música que há tempos não ouvíamos? O clipe é velho e tosco, mas a música é boa...
Então vamos lá!
Hoje: Nazareth - Love Leads to Madness.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

O PACTO PELA EDUCAÇÃO DO GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS

GOIÂNIA - ANO I - 95

Olá Químicos e Agregados.

Sim. Dei uma boa sumida dessas áreas, mas cá estou, de novo. Mais chato do que sempre.

Bom. Como todos já sabem, o Secretário da Educação do Estado de Goiás, lançou o Pacto pela Educação. Segundo ele, é um conjunto de medidas que visam mudar a educação nos próximos 25 anos no estado.

São 5 pilares básicos. E sim, o chato aqui vai analisá-los um por um. Você inclusive pode lê-lo na íntegra, clicando aqui. Assim, você me ajuda, comparando o que está lá com o que eu vou escrever aqui, para que eu não fique com a fama de mal humorado ou insistentemente contrário ao governo. Já adianto, que tem coisa que eu concordo. (Ouço gritos de júbilo!!!).

Bão? Então vamos começar pelo começo. O post vai ser um pouco longo, mas os próximos devem ser mais curtos. 

Vamos lá: PRIMEIRO PILAR:

A) Valorizar e fortalecer o profissional da Educação

A primeira parte desse item tem o título: O que já foi feito.

Lá ele diz que um dos passos foi valorizar a gestão. Eleições para diretor, essas coisas. Mas o interessante é que lá ele não diz que os diretores eleitos tiveram que assinar um termo de responsabilidade do tipo, caso a nota do IDEB da escola não melhore, tal diretor pode ser exonerado. Logo, o que está escrito lá em relação a essa pressão por resultados, simplesmente...não está escrito lá. Já escrevi sobre isso aqui.

Mas tem coisa boa. Diz que a remuneração para o diretor teve um acréscimo de 45% na gratificação. Bom, dinheiro é sempre bom, né? Mas alguns diretores já me informaram que não é beeeemmm assim. 45% sobre um valor pequeno (Porque não é sobre o salário, é sobre a gratificação de diretor) também é pequeno, né? Mas dinheiro é dinheiro, nem que seja para o dobro do trabalho e a pressão por resultados.

E diz também que o diretor vai fazer uma pós graduação em gestão escolar. Bom também. Vamos ver se isso vai pra frente mesmo. Essa é uma iniciativa boa.

Dentro desse item tem outros títulos. Vou dar pitaco em mais um deles, deixando outros para outros posts: O que a reforma propõe - 1. Valorização da Carreira do Profissional da Educação.

Nesse tópico o pacto diz que vai procurar pagar o piso. Isso parece bom, mas vejam bem, isso não tem que ser um pacto, pois é tão somente uma LEI QUE NÃO ESTÁ SENDO CUMPRIDA. Como uma lei que não está sendo cumprida pode figurar em uma reforma a ser realizada? Isso ainda me parece meio surreal, como é para os professores do nível médio.

Diz que vai criar carreiras na rede. Carreiras atrativas. Ótimo. Carreira atrativa é aquela que paga bem. Diz que focará três caminhos: a docência, a especialização pedagógica e o caminho da liderança (?). Isso, segundo o pacto, vai garantir a contratação de profissionais especializados.
Ótimo, parece bom. Mas é importante lembrar que para contratar profissionais especializados para essa pretensa mudança, tem que tornar a carreira atrativa. NÃO me engano como formador. Meus jovens licenciandos acham muito atrativo uma carreira QUE PAGA BEM! Começa por aí. Logo, isso pode vir a atrair pessoas para cursos de licenciatura iniciando um círculo virtuoso.

Digo isso pois de 9 Licenciados que já foram alunos meus de mestrado, eram professores da rede. Gostariam de ter ficado, mas até pedirem exoneração e adentrarem uma carreira profissional em nível federal, não tinham ainda recebido o adicional por serem mestres. Isto, é, os bons vão embora rapidinho. E se ainda não foram, falta pouco, pois vai ter bastante concurso federal no ano de 2012. Acho melhor o governo estadual se apressar um pouco.

A revisão do estágio probatório é uma boa. Não pode ficar só em papel.

Diz que vai rever os mecanismos de promoção para torná-los mais objetivos e meritocráticos. Bom, esse eu vou ficar no aguardo para analisar, porque da forma como foi escrita essa frase, não me diz absolutamente, nada.

Bom, acabei a primeira parte. Se você conseguiu chegar até aqui. Logo eu volto com a análise das outras partes desse pilar.

Um mol de amplexos delirantes...

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

PUBLICO PRIVADO OU PRIVADO PÚBLICO????

GOIÂNIA - ANO I - 94

Olá Químicos e Agregados.

Eu pensei que já havia visto de tudo em termos de educação no estado de Goiás. Mas fui surpreendido negativamente com essa notícia, veiculada no O POPULAR de hoje: "Parceria Busca Melhores Notas".

Se vocês não viram, vou explicar: a Secretaria de Educação, SEDUC, selecionou mais ou menos 2000 alunos da rede pública, para assistirem aulas em 7 grandes colégios particulares de Goiânia, aos domingos de manhã, nos próximos 2 meses. Uma espécie de "intensivão" para o ENEM. O intuito é fazer com que esses alunos tirem uma nota melhor no ENEM.

As aulas têm duração de 4 horas e começaram em Agosto, com término em Outubro.

Você pode estar pensando assim:"Nossa, que legal por parte da secretaria, né? Dando oportunidade para os alunos terem boas aulas, com bons professores, aumentando sua nota no ENEM." 

Correto? Não!! Errado. Vou explicar na forma de itens, para facilitar nosso entendimento do absurdo que isso se configura:

A) Essa parceria NÃO beneficia a rede pública. As notas do ENEM, se caso melhorarem, vão trazer dividendos para a SEDUC, inflando notas que não são reais, obtidas por meio de intensivos, e mais, o senhor secretário poderá utilizar essas notas como dividendos políticos em prol de sua gestão, anunciando coisas do tipo: "Em minha gestão, aumentamos a nota do ENEM das escolas da rede pública".

B) Essa ideia ridícula, desqualifica ainda mais nosso tão atacado ensino público. Desmoraliza enormemente o professor da rede pública. Um coisa é ensinar conteúdo em sala de aula, que nossos professores tentam fazer, com baixos salários e escolas caindo aos pedaços. Outra coisa é TREINAR conteúdo em sala de aula limpa e com ar condicionado. É falso, é inflado, é irreal tal atitude. Assim, esses alunos que estão nesses cursinhos, tendem a achar que o seu resultado no ENEM se deve a esses intensivos e não a todo o processo de ensino aprendizagem dos últimos 3 anos no ensino médio PÚBLICO. 

C) Tal atitude vai aumentar o estigma de que  o sistema particular de ensino é melhor do que o da rede pública, o que não é verdade, como já provei várias vezes nas disciplinas que ministro aqui na UFG, quando consideramos questões sociais, econômicas e estruturais.

D) Com essa atitude, a SEDUC está nos dizendo algo assim: "Realmente, para nós, é muito mais fácil levar os meninos para terem aulas na rede particular do que valorizar nossas escolas e nossos professores". Em síntese meus amigos, a SEDUC está dizendo e gritando em alto e bom tom que FRACASSOU de forma efetiva em seus esforços de melhoria da rede pública. Isso é tão somente um atestado de INCOMPETÊNCIA. 

E quem vocês acham que vai levar a culpa disso tudo, principalmente por parte da sociedade??? Acertou quem disse que é o professor da rede pública, que vai ser confrontado pelos alunos e seus pais. Sem é claro, que os pais saibam o abismo em termos estruturais e salariais nessa diferença.

Lamentável. Estou irado. Eu não desisto. Mas isso chega às raias do absurdo.

Mas vocês podem me perguntar. Mas não é bom para os alunos, isso?

Caros, pode até ser bom, mas eles acabam sendo massa de manobra, entendem?

Abraços e meus pêsames a todos.

domingo, 18 de setembro de 2011

TESTES E EXAMES NÃO MEDEM EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS

GOIÂNIA - ANO I - 93

Da Folha de São Paulo - Por Antonio Gois

O brasileiro Flávio Cunha, 38, ingressou há 11 anos no doutorado em economia da Universidade de Chicago disposto a estudar lei de falências. Ao assistir as aulas do prêmio Nobel de Economia James Heckman, no entanto, mudou de ideia.Heckman, mundialmente reconhecido por estudos que comprovam a importância de intervenções de qualidade nos primeiros anos de vida da criança, convenceu Cunha a se juntar a ele em uma nova empreitada.
Juntos, os dois passaram a investigar o impacto que intervenções na infância tinham em habilidades não mensuradas em testes escolares. A conclusão foi que, mesmo não tendo efeito tão significativo em testes de linguagem ou matemática, programas de alta qualidade foram decisivos para, na vida adulta, diminuir o envolvimento em crimes ou casos de gravidez precoce.
Para ele, esses achados evidenciam que é um erro avaliar o impacto da escola somente através de testes. Ele critica também o fato de, no Brasil, as discussões sobre investimento na primeira infância se limitarem, em sua opinião, a discutir a quantidade de vagas em creche.
Cunha hoje é professor da Universidade da Pensilvânia. Participa nesta semana do 1º Fórum Insper de Políticas Públicas, em São Paulo.

Folha - Políticas públicas de qualidade para a primeira infância costumam ser muito caras. Não é irrealista imaginar que um país como o Brasil tenha condições de adotá-las, já que 80% das crianças de zero a três anos hoje estão fora de creches?
Flavio Cunha - O que me preocupa no caso do Brasil é esta ideia de que política para a primeira infância se resume a construir creche. O debate sobre primeira infância foi praticamente sequestrado por essa ideia. Discute-se o prédio, mas sabe-se lá o que as crianças vão fazer lá dentro. Ninguém debate currículo de creche.
Deveríamos estar mais preocupados em adotar programas que comprovadamente deram certo. A implementação deles foi cara, pois eram atividades que serviam poucas crianças. Mas é possível implementá-las sem um custo tão elevado.
Quando se fez o primeiro Ipad [dispositivo da Apple lançado no ano passado], ele foi extremamente caro. Mas, a partir do momento em que se cria um modelo, é mais fácil replicá-lo de forma mais barata.

O que há em comum nessas experiências que foram eficientes?
É importante ter um currículo em que as crianças interajam com os professores, que aprendam por meio de um método que explore perguntas indiretas, que as induzam a falar. Evita-se perguntas em que a resposta será sim ou não. O mais importante, neste caso, não é saber se a criança completou ou não uma tarefa, mas é o professor fazê-la explicar.
Tenho um colega com um filho de três anos no Brasil que resolveu acompanhá-lo na creche. Ele relatou que o filho era submetido a uma rotina muito forte. Brincava muito com as outras crianças, mas quase não tinha interação com o professor.
A vantagem dos programas que deram certo é que não duram o dia inteiro. Duas ou três horas podem ser suficientes, e isto pode acontecer dentro de creche ou não.

Pesquisas vem comprovando que o nível socioeconômico dos pais é determinante para o sucesso dos filhos. Isso não gera um tipo de determinismo social?
Em um estudo muito interessante feito nos Estados Unidos, pesquisadores visitaram várias famílias e gravaram o que acontecia em casa por uma hora.
Identificou-se que em famílias de pais com nível superior, eles falavam nessa uma hora, em média, 2.500 palavras para seus filhos. Em casas onde os responsáveis não tinham completado o ensino médio, esta média caía para 500.
Essas crianças entrarão na escola com um déficit em relação às demais, e não será numa sala com 30 alunos que isso será revertido. O papel da família é extremamente importante. Boa parte do sucesso dos programas foi ter ensinado aos pais o quanto o envolvimento com os filhos era importante.
Por outro lado, não podemos achar que basta investir na primeira infância para reverter esse déficit. Não podemos achar que não precisamos nos preocupar com a qualidade da escola.

Você e o economista James Heckman estudaram o impacto desses programas em habilidades não-cognitivas. Que habilidades são essas, e qual foi a conclusão da pesquisa?
Uma parte importante do sucesso é sentar e fazer a tarefa. No meu trabalho, tem muita coisa que acho interessante e que provavelmente faria mesmo que não me pagassem. Mas há outras extremamente chatas, que demandam persistência e motivação, e que precisam ser feitas.
O que fizemos em 2006 foi estudar o impacto das habilidades não-cognitivas controlando pela inteligência tradicional. Fizemos isso medindo o impacto de programas em envolvimento em crimes, uso de drogas, maior propensão ao desemprego, gravidez na adolescência, entre outros.
A partir daí, percebemos que o impacto mais importante dos programas que analisamos não estava em habilidades mensuradas por testes de matemática ou linguagem.
O problema é que toda a política educacional dos EUA hoje está voltada para obter resultados nesse tipo de testes. Mas eles nos dizem pouco em relação a outros aspectos fundamentais para verificar se a pessoa foi bem sucedida, como sua inserção no mercado de trabalho ou a menor dependência de programas sociais.
Também no Brasil, estamos reduzindo o debate sobre a qualidade da escola a testes de português e matemática. Parece que tudo gira em torno da nota do Ideb (indicador de qualidade do governo federal) ou do Pisa (teste internacional que compara o desempenho de alunos por país). O objetivo da escola é muito maior do que aprender a ler e fazer conta. É preparar para a vida. 
 
Comentário do Blog.
É o que digo em sala de aula. Os exames medem o que, afinal de contas? 
Ainda volto em um post sobre as notas do ENEM.
Mas concordo com quase tudo que está na entrevista. É isso.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

HÁ 140 ANOS NASCIA RUTHERFORD

GOIÂNIA - ANO I - 92

Olá Químicos e Agregados.

Hoje, 30 de Agosto de 2011 comemora-se 140 anos do nascimento de Ernest Rutherford. 

Para quem ainda não sabe, ele ficou conhecido como o "pai da física nuclear" ou ainda, "aquele cara do modelo atômico planetário" (que diga-se, nem foi ideia dele, afinal, o modelo de Rutherford considerava os elétrons fora do núcleo e não em órbita ao seu redor, isso foi ideia de outro cara, mas deixa pra lá!).

O importante é que se estivesse vivo, faria hoje 140 anos. Parabéns Rutherford. Pode soprar a vela! De onde estiver.

Mais informações sobre ele você pode acessar aqui:

E se você for preguiçoso absurdo, aqui:


Algumas fotos básicas dele podem ser vistas a seguir. Não. Ele não postou nenhuma delas no FACEBOOK. 

A primeira, mais novo (nem tanto).


A segunda, mais velho um pouco (nem tanto):




E a terceira, mais velho um pouco (um tanto bão!):



Então. É isso. Um mol de abraços a todos.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

INEP QUER MUDAR A FORMA DE CALCULAR A NOTA DO ENEM

GOIÂNIA - ANO I - 91

Olá Químicos e Agregados.

O INEP, órgão  responsável pela prova do ENEM vai propor ao Ministério da Educação a mudança na maneira de calcular a nota do Exame Nacional do Ensino Médio.

Como o exame não tem obrigatoriedade, as escolas podem escolher aqueles alunos que podem ou não fazer a prova. Assim, algumas escolas podem inflar as notas do ENEM escolhendo os melhores alunos e até mesmo os premiando por fazerem a prova.

A nova proposta, ainda em análise pelo INEP deve considerar que a nota da escola seja proporcional ao número de estudantes que efetivamente existem na escola, evitando que se inflem as notas e que o exame nacional deixe de ser usado como propaganda e marketing.

Uma boa atitude, para quem acha que eu escrevo nesse blog somente detonando as ações relativas à educação no Brasil. Se bem que tenho minhas restrições ao ENEM, que pretendo discutir em outro post, mas a proposta do INEP é boa, em meu entendimento.

terça-feira, 9 de agosto de 2011

SLOW SCIENCE: POR UM TEMPO PARA PENSAR


GOIÂNIA - ANO I - 90

Olá Químicos e Agregados, 

Hoje descobri que sou amplamente a favor do movimento Slow Science

Esse movimento defende que precisamos de um tempo para pensar nossa pesquisa, refletí-la, discutí-la, sem aquela pressa para publicar, sem afobação, muitas das vezes, publicando somente parte do que realmente concluímos por falta de espaço e por causa da pressão pela publicação a qual somos submetidos pelos órgãos financiadores de nossas pesquisas e pelos órgãos que avaliam os programas de pós graduação nos quais orientamos.

O mundo anda cada vez mais rápido e corrido. Será que necessitamos mesmo de toda essa pressa e de toda essa pressão por mais e mais publicação? Não será melhor investir no ser humano, tornando-o um profissional mais completo que entenda mais a própria pesquisa que realizou ao invés de formarmos publicadores de artigos?

Um bom texto sobre o assunto pode ser lido nesse blog:


Abraços a todos.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

SEXTA-FEIRA DA CANÇÃO XIII

GOIÂNIA - ANO I - 88

Olá Químicos e Agregados, 

O sexta feira de hoje, de novo, traveiz, é uma música velha.

Essa eu dançava quando era mais jovem novo (jovem sou até hoje.).

Reparem os dançarinos, de camisa rosa, ao fundo. Eu dançava daquele "tipim". Só depois decidi ser professor. Alguns ainda dizem que continuo andando daquele jeito. Molecada é phoda!

Hoje: Snap - Ooops Up!